Adivinhações com alimentos | Clara Champbell

DIVINAÇÃO COM ALIMENTOS COMO MEIO DIVINATÓRIO

Teoria da assinatura

O homem sempre utilizou plantas para tentar curar-se, e a teoria da assinatura é o elo que pode existir entre a forma ou aparência de uma planta ou fruto e o seu poder terapêutico.
Na Idade Média, a teoria da assinatura era amplamente utilizada e continua forte até hoje.
As pessoas da época acreditavam que Deus havia deixado sua assinatura nas plantas e nas frutas para ajudar o homem a se curar.
Foram definidos 2 grupos de assinaturas:
– Assinaturas intrínsecas, específicas da própria planta, como nozes, tomates, cenouras…
Nas nozes, os grãos lembram os hemisférios do cérebro, e a teoria da assinatura deduz que eles têm um efeito benéfico na função cerebral.
Diz-se que o feijão tem formato de rim e tem um efeito benéfico sobre os rins.
O 2º grupo de assinaturas:
– assinaturas extrínsecas ligadas ao ambiente da planta, como o salgueiro com os pés na água que nos deu aspirina.
Quando Edward Stone observou um salgueiro branco no século 18, ele exclamou: “Esta árvore que cresce com os pés na água nunca fica doente! Deve conter compostos contra febre e calafrios”.
Esta teoria da assinatura foi abandonada por falta de argumentos científicos rigorosos, mas no caso do salgueiro, por exemplo, a aspirina é feita a partir da sua casca francesa. Na Grécia antiga, eram utilizadas decocções de folhas de salgueiro.

Em 400 AC. Hipócrates, o pai da medicina, usava-o para tratar febre e dores. Pedanius Dioscórides, nascido entre 20 e 40 d.C., usava a casca para fazer suas decocções secretas.
O princípio ativo do salgueiro branco só seria descoberto muito mais tarde: em 1825, o farmacêutico italiano Francesco Fontana conseguiu isolar a salicina.
Em 1829, outro farmacêutico francês, Pierre-Joseph Leroux, otimizou o processo reduzindo a pó uma decocção de casca de salgueiro branco, depois filtrando-a e concentrando-a para obter cristais brancos solúveis em água, que chamou de salicilina, desde a palavra latina para salgueiro é salix.
Embora no Ocidente o poder da comida fosse reconhecido, a forma de adivinhação mais difundida no século XIX não usava a comida como meio de adivinhação, e a prática de usar borra de café, ovos e folhas de chá permaneceu em minoria, ao contrário Leituras de tarô, oráculos e leituras de mãos, que eram maioria.
A escarificação animal não era mais utilizada.
A comida é uma base para a adivinhação como qualquer outra.
É a conexão do clarividente com seus Guias que conta. Você pode até criar seu próprio meio com um alimento ou objeto com o qual se sinta capaz de interagir e criar suas próprias Cartas e Oráculos.
Nos últimos anos, esses métodos culinários de adivinhação ganharam popularidade.

Cafeomancia:

A cafeomancia usa borra de café.

Tasseomancia

Tasseomancia é uma leitura de desenhos de folhas de chá.

enomancia

The divinatory medium here is the wine’s taste, color and density.

Aspergomancia

Aspergomancia usa aspargos frescos

Tiromancia

A tiramancia é a adivinhação com queijo.

Esta antiga forma de adivinhação utiliza os buracos do queijo, as irregularidades da sua superfície, a sua cor e as suas fissuras para fazer uma leitura.

 

O queijo foi descoberto pela primeira vez no período Neolítico, por volta de 7.000 AC.

Escavações arqueológicas no túmulo de Ptahmes, no Egito, descobriram um queijo de três milênios dentro de uma panela.

Ptahmes foi prefeito da antiga Mênfis e também oficial do exército, administrador do tesouro, escriba real e sumo sacerdote sob Sety I.

 

A produção de queijo no Norte da Europa remonta a 7.000 anos.

 

 

Acredita-se que a tiramancia tenha se originado na Grécia. Também foi praticado em Constantino d’Osroene pelo Bispo Sophronius, que foi acusado de magia e astrologia no Segundo Concílio de Éfeso em 449, e provavelmente desta prática divinatória.

Alomancia

Alomancia usa sal.

O adivinho joga sal para o ar e sua interpretação se baseia em duas etapas: a primeira na forma como o sal cai no chão e a segunda na análise das formas no chão.

Cada cultura e país tem uma prática que pode ser diferente, mas o que têm em comum é a crença de que o sal tem uma virtude protetora e purificadora.

 

Os campeões de sumô, na luta tradicional japonesa, espalham sal no ringue antes das lutas, em sinal de purificação e para garantir que a luta continue justa.

 

Para os gregos, como para os hebreus e os árabes, o sal é o símbolo da amizade e da hospitalidade, porque é partilhado, e representa também uma promessa cumprida, uma palavra dada, porque o sabor do sal é indestrutível.

Homero refere-se ao seu caráter divino, dizendo que era usado em sacrifícios.

Ofereceram-no aos deuses e atribuíram-lhe o poder de afastar os demônios (Plutarco).

 

Nos textos sagrados hindus (os Upanishads), diz-se que Deus é como um pedaço de sal dissolvido em água.

 

Para os alquimistas, o sal é, junto com o enxofre e o mercúrio, um dos três princípios. Representa o meio de união, o espírito vital que permite o encontro da alma e do corpo, entre as duas propriedades opostas da natureza: o enxofre como princípio ativo, masculino, e o mercúrio como princípio passivo, feminino.

Tiromancia

A tiramancia é a adivinhação com queijo.
Esta antiga forma de adivinhação utiliza os buracos do queijo, as irregularidades da sua superfície, a sua cor e as suas fissuras para fazer uma leitura.

O queijo foi descoberto pela primeira vez no período Neolítico, por volta de 7.000 AC.
Escavações arqueológicas no túmulo de Ptahmes, no Egito, descobriram um queijo de três milênios dentro de uma panela.
Ptahmes foi prefeito da antiga Mênfis e também oficial do exército, administrador do tesouro, escriba real e sumo sacerdote sob Sety I.

A produção de queijo no Norte da Europa remonta a 7.000 anos.

Acredita-se que a tiramancia tenha se originado na Grécia. Também foi praticado em Constantino d’Osroene pelo Bispo Sophronius, que foi acusado de magia e astrologia no Segundo Concílio de Éfeso em 449, e provavelmente desta prática divinatória.

Cromiomancia

adivinhação de cebola

Crommiomancia é adivinhação usando cebolas para responder perguntas sim ou não.

Em uma cebola está escrito sim, em outra não, e a resposta a esta pergunta estará escrita na primeira cebola que brotar.

Arroz

O arroz, um dos cereais mais antigos do mundo, também é usado em alguns lugares para adivinhação. Um líder religioso do santuário Chiriku Hachimangu, na ilha de Kyushu, viu rachaduras no seu caldo de arroz e alertou as pessoas para se prepararem para um terremoto. E ele estava certo.

Consultas conexas

Comments are closed.