Exemplo de técnicas divinatórias | Clara

ALGUMAS TÉCNICAS DIVINATÓRIAS

- cafeomancia

Cafeomancia é um método de adivinhação que envolve prever o futuro através da interpretação dos vestígios deixados pela borra de café no fundo de um prato ou xícara.
Originária do Iêmen, diz-se que a cafeomancia é praticada desde o século IX.
Esta arte divinatória é transmitida de mãe para filha. Animais, números, letras e objetos são desenhados no fundo da xícara, que fica virada de cabeça para baixo sobre o pires.
Os desenhos no pires representam o presente e os desenhos na xícara representam o futuro.

-tasseomancia

Tasséomancia é a leitura dos desenhos das folhas de chá.
Diferentes métodos foram praticados durante séculos, mas os princípios são os mesmos.
As folhas de chá são preparadas e o consultor bebe o chá, deixando as folhas no fundo da xícara com um resíduo de líquido.
O consultor mexe o chá várias vezes, o que pode variar de uma civilização para outra, e depois vira a xícara de cabeça para baixo sobre uma xícara inferior. O adivinho pega a xícara e interpreta os padrões, formas e variações que aparecem no fundo da xícara.
As bordas do copo devem ser alargadas para que as folhas grudem nelas.

-alomancia

Esta adivinhação usa sal. O adivinho joga sal para o ar e sua interpretação se baseia em duas etapas: a primeira na forma como o sal cai no chão e a segunda na análise das formas no chão.


-Geomancia,
Esta adivinhação é realizada “observando figuras formadas no chão” (Robert).

Se a astrologia liga o Céu à Terra, podemos dizer que a geomancia une a Terra ao Homem.
A geomancia é uma arte divinatória milenar, de base matemática, de origem árabe, trazida para o Ocidente latino ao mesmo tempo que a astrologia árabe.

Após uma invocação ao seu Deus, o geomante trabalha no chão ou na areia com a mão direita, desenhando suas figuras da direita para a esquerda e interpretando o passado, o presente e o futuro da pessoa.

-bibliomancia

é uma adivinhação que se realiza escolhendo um livro e abrindo-o em uma página aleatória, após um ritual escolhido.

-Onimorancia

Muitos povos antigos acreditavam na revelação divina através dos sonhos, e os gregos daquele período da história não eram exceção, apreciando muito a onimorancia.

Os Oneiroi (= Canções em grego antigo) eram até divindades que personificavam os sonhos. E seus sonhos transmitiam a vontade dos deuses.

Os antigos gregos praticavam adivinhação em santuários oraculares.

Em Homero, Odisséia, (XIX, 535-550)

Penélope diz a Ulisses
Vir! Me avise: chegou até mim um sonho, que vou te contar…’

Assim, as suas práticas divinatórias incluíam a interpretação dos seus sonhos, que levavam muito a sério, a análise de presságios, coincidências, o voo dos pássaros, a interpretação das formas e reflexos das vísceras dos animais sacrificados e a interpretação das chamas e do fumo dos sacrifícios de animais.

-Onomancia

(ou onomamancia, onomatomancia).
Do grego onoma= nome e manteia= predição.
Onomamancia representa adivinhação usando o nome de uma pessoa. Os pitagóricos usavam-no e até tinham o ditado “nomen presságio”, que se traduz como “o nome é o presságio”.

-Talassomancia

A talassomancia é a adivinhação através da observação e interpretação do mar e da sua forma, ondas e cores.
Em grego, talassa significa mar.
Uma das purificações do nosso pêndulo divinatório é a utilização de água do mar em movimento, água de nascente, água de Lourdes ou fontes sagradas.

No Japão, o santuário Yaegaki dedicado à Deusa Susanoo e à Princesa Inata é muito famoso e popular.
É um lago conhecido como lago espelho “kagami no ike”, que permite prever o momento do encontro com uma de suas almas gêmeas.

-Nefomancia

Do grego nephelê=nuvem
Observamos a forma, o tamanho, a velocidade, a cor e a direção das nuvens, numa escala de tempo de passado, presente e futuro. As formas se assemelharão a animais, por exemplo, cada um com suas qualidades simbólicas.
A nefomancia era praticada por sacerdotes no antigo Oriente, na Caldéia, Bizâncio e Babilônia.

- TÉCNICAS DE DIVINAÇÃO DRUIDA

58 a.C. Júlio César disse sobre o Druidismo:
Acredita-se que a doutrina dos Druidas se originou na Bretanha e foi trazida daquela ilha para a Gália; ainda hoje, quem deseja estudá-lo a fundo muitas vezes vai lá para aprender’ (Caio Júlio César Guerra Gálica).

Os druidas tinham práticas divinatórias baseadas na sua profunda ligação e comunhão com a Natureza. Eles receberam mensagens divinas e viveram em sua floresta.
Os Druidas eram os únicos em seu clã que podiam interpretar mensagens Divinas e os únicos que podiam dirigir-se às suas Divindades.
Seu clã também incluía todos os seus Ancestrais, que guiavam aqueles que viviam.

Suas ajudas divinatórias eram o formato das árvores, sua folhagem, o movimento dos galhos e certas plantas como o hou, o visco e o sabugueiro. Eles também usaram animais e pedras.

O carvalho, elemento natural e sobrenatural para os Duidas, esta árvore que muito aprecia o sol e que o representou nos países celtas, árvore rei da floresta e árvore eixo do mundo ligando o Céu à Terra, e o homem ao Divino.
O visco é raro e crescia em várias de suas árvores, como o olmo ou a faia, mas por crescer no carvalho sagrado, o visco era considerado essência divina pelos druidas.


Também tinha esse componente espiritual intrínseco porque é um arbusto que cresce na árvore hospedeira, mas não tem contato com o solo.
O carvalho é um símbolo do sol, e os frutos do visco são brancos e têm o formato de luas cheias. Carvalho e visco formam a união do feminino e do masculino, do yin e do yang e da harmonia da Natureza Divina.

O visco é uma planta perene que não murcha. .

O visco também cresce na Austrália, Nova Zelândia, África do Sul, América do Sul e o mágico é que todos esses visco florescem e amadurecem seus frutos simultaneamente, embora os do hemisfério norte estejam no período de inverno, enquanto os outros visco do hemisfério sul estão no período de verão. Para todos os visco do mundo, o seu florescimento e maturação parecem unidos por uma força ancestral comum de crescimento e vida.

As revelações divinatórias dos druidas eram, entre outras coisas, a forma das árvores, sua folhagem, o movimento dos galhos, certas plantas como o hou, o visco e o sabugueiro. Eles também usaram animais e pedras.

Para prever o futuro e saber, por exemplo, se deviam lutar ou não, os druidas observavam as bagas nos ramos do azevinho, o seu número e crescimento.

Durante os rituais para dar suas previsões e profecias, eles usavam o visco, interpretando os desenhos formados no solo.
Os druidas também profetizaram e fizeram previsões durante a colheita do visco.


O sabugueiro tinha um poder de cura semelhante ao do visco, mas também um poder divinatório próprio.
Os Druidas também eram médiuns que utilizavam suas flautas de sabugueiro para se comunicarem com seus ancestrais ou receberem mensagens divinas, através de mensagens, visões e flashes e praticavam magias e rituais.

Um druida era, portanto, um estudioso, sacerdote, sacrificador, filósofo, matemático, jurista, orador, feiticeiro, médium, curandeiro, conselheiro matrimonial, líder político, professor, jurisconsulto, orador, astrólogo, filósofo, mago e possuía um grande número de receitas de filtros. mágico.
O Druida também tinha que saber manejar certas armas (adaga, clava, dardo, arco, lança, etc.), seu escudo e poderia usar sua armadura, tudo isso mesmo estando isento do serviço militar.

-ASTROLOGIA

A astrologia vem de uma longa tradição de observação do céu que se originou na Mesopotâmia em meados do terceiro milênio aC. Os zodíacos e tabuinhas caldeus da Babilônia, os almanaques da Idade Média, os horóscopos de Catarina de Médicis são prova disso e testemunham a mania deste ato divinatório. Até o século XVII, a astrologia ocupava um lugar privilegiado nos meios acadêmicos. Astrônomos, médicos, reis e rainhas ficam cativados. A astrologia fornece previsões baseadas no tema astrológico, entre outras coisas, e permitirá a escrita do horóscopo.

Consultas conexas

Comments are closed.