Amor e almas gémeas | Clara Champbell

AMOR E ALMAS GÉMEAS

-O verdadeiro amor: "uma rede de ligações que nos faz crescer". Antoine de Saint-Exupéry

Os gregos antigos utilizavam 4 palavras para descrever o amor, e uma única palavra não era suficiente para descrever este vasto conceito:
“Eros”: amor físico e consumado,
“Philia”: amizade e reciprocidade,
“Ágape”: é o amor ao próximo, “ágape”, entendido como o modelo de amor incondicional de que se devem aproximar os que o invocam ou nele acreditam. É também o amor divino e incondicional.
“Storgê é o amor familiar e a ternura.
O primeiro registo de amor à primeira vista foi o do Faraó Ramsés em 1245 a.C.. Ele tinha mais de 12 esposas e 200 concubinas, mas sucumbiu à primeira vista aos encantos de uma princesa hitita. Gravuras encontradas num templo testemunham este facto.

ALMAS GÊMEAS e CHAMAS GÊMEAS

Chamas Gémeas

Os parceiros estão profundamente ligados e magnetizados um pelo outro.
As chamas gémeas espelham-se uma na outra.
Cada um reflectirá os pontos fortes e fracos do outro, ajudando-o a reparar consciente ou inconscientemente, motivando-o e empurrando-o para a auto-realização.

Como é que se define uma alma gémea ou almas gémeas?

O dicionário Larousse define-a da seguinte forma Alma gémea, pessoa cujos sentimentos, inclinações e aspirações a aproximam de outra.

Para o dicionário Le Robert: L’âme sœur, pessoa com quem se tem uma grande afinidade sentimental.

 

Para o dicionário TLFi: Âme sœur. Uma pessoa que tem afinidades profundas de gostos, sentimentos… com outra pessoa (especialmente do sexo oposto), que é feita para se dar bem, para viver em harmonia com ela.

As almas gémeas podem ser amantes ou amigos, familiares ou não, mas em todos os casos há um sentimento de obviedade entre eles.

Algumas pessoas até usam a palavra “família de almas”, porque há uma forte impressão de déjà vu, como se fossem pessoas que viveram juntas em vidas anteriores.

É um sentimento de bondade, facilidade e harmonia, e de sermos totalmente quem somos na sua presença.

É uma sensação de liberdade de sermos nós próprios e de termos regressado a casa.

Teríamos várias almas gémeas, e uma alma gémea não tem de ficar na nossa vida para sempre.

Há uma ligação mental mágica, alquímica, que se cria entre elas, e vivem sincronicidades estranhas e divertidas, como acordar em dois sítios diferentes ao mesmo tempo e ao minuto, ou enviar mensagens de texto ao mesmo tempo, pensar a mesma coisa ou dizê-la em simultâneo, atender o telefone quando o outro estava a marcar…

Estas “mais do que coincidências” são vistas como sinais reveladores e “agitam as coisas”, especialmente quando se trata de um primeiro encontro com uma alma gémea.

Pode haver discussões, mas estas são rapidamente desfeitas, e a ligação torna-se mais forte com cada marco e desafio alcançado em conjunto.

Como é que surgiu o conceito de almas gémeas?

Este conceito, a que alguns chamam o mito das almas gémeas, foi criado por Platão e representa o encontro de duas almas que se tornariam uma só.

 


Platão escreveu “O Banquete” por volta de 380 a.C., e numa passagem uma das personagens, Aristófanes, explica a sua teoria das almas gémeas.

Conta-nos que, nos primórdios da humanidade, os seres humanos tinham físicos muito diferentes, com 4 pernas, 4 braços, 2 sexos e uma cabeça com duas faces, duas metades coladas uma atrás da outra.


Algumas dessas criaturas tinham um sexo masculino e um sexo feminino, chamadas andróginas, outras tinham dois sexos femininos e o terceiro grupo era constituído por criaturas com dois sexos masculinos.

Estas diferentes combinações eram tão belas, bem sucedidas e perfeitas que estas criaturas se sentiam acima de tudo e estavam tão em fusão, plenitude e completude, duas a duas, que ignoravam as outras e, sobretudo, esqueciam-se de rezar e honrar os seus deuses, incluindo Zeus.

Zeus zangou-se e dividiu estes seres, cada um dos quais tinha apenas um rosto, dois braços e duas pernas, em duas partes, condenando-os a procurar a sua outra metade para o resto das suas vidas.

O conceito de alma gémea ou chama gémea no Ocidente e no Oriente é semelhante, mas na Ásia, por exemplo, as almas gémeas estão tão intimamente ligadas como no Ocidente, mas sem procurar a sua metade perdida no outro.

A lenda do fio vermelho no Japão

Os japoneses acreditam que um fio vermelho liga aqueles que estão destinados um ao outro.

Uma lenda japonesa, derivada de um conto da época dos samurais, de 1185 a 1867, conta que os amantes estão ligados por um fio vermelho invisível, predestinado pelos deuses, predestinando-os um para o outro.

O fio vermelho, chamado “Ise no Taheiji” em japonês, liga as duas almas. Quando os amantes estão longe um do outro, o fio vermelho alonga-se e continua a ligar os dois para sempre.


Segundo esta bela tradição, usar este fio vermelho como pulseira à volta do pulso esquerdo traria boa sorte a toda a gente e permitiria aos solteiros encontrarem-se mais facilmente, como por magia, e viverem juntos o verdadeiro amor.

Se duas pessoas sobrepuserem os seus fios vermelhos, ficarão imediatamente sob o feitiço uma da outra.

Esta lenda significa que o Destino, o Universo ou o Mundo Invisível, está a trabalhar benevolamente a nosso favor e que tudo acontecerá no momento certo para nós. No Japão, não se pode lutar contra o fio vermelho.

Ulisses e Penélope

Penélope é uma personagem do final da Odisseia de Homero.

Penélope é a mulher de Ulisses, rei da pequena ilha grega de Ítaca, e juntos têm um filho chamado Telémaco, que ainda é muito novo quando o pai parte para a guerra.

Ulisses partiu para a Guerra de Troia durante um período de vinte anos, embora tenha usado muitos truques para escapar e ficar com a sua família.

Pressionada, disse que se casaria de novo, mas só quando acabasse de tecer a mortalha para o marido.

No entanto, no seu coração, ela tinha a certeza de que o marido ainda estava vivo e que regressaria da guerra.

Usa um estratagema inteligente para fazer a costura e a tecelagem à noite, para poder recomeçar tudo de manhã.

Uma das suas criadas descobre o seu estratagema e revela-o a todos os pretendentes ansiosos de Penélope.


O seu amor por Odisseu, a sua lealdade para com ele, a sua inteligência e a sua fé no seu amor terão sido os mais fortes. Ulisses regressa a Ítaca e vence os desafios mais difíceis contra todos os pretendentes de Penélope.

 

Penélope imagina um teste em que os pretendentes terão de tentar dobrar o arco de Odisseu. Ela sabe que só ele o pode fazer e, de facto, só Odisseu, disfarçado, com a ajuda do seu filho Telémaco e a bênção dos deuses, o conseguirá.

Penélope terá dificuldade em reconhecer Ulisses, disfarçado de velho, mas ele contar-lhe-á segredos que só eles conhecem.

E assim se reencontram felizes, o seu amor dá à luz um segundo filho, Ptoligorthes, e os próprios deuses curvam-se perante o seu amor e a sua felicidade.

As linguagens do amor

Gary Chapman, autor e génio analítico, conselheiro matrimonial e conferencista americano especializado no casamento e na família, explica de forma muito didática no seu livro “As 5 linguagens do amor” que cada um de nós manifesta o seu amor de várias formas possíveis, das quais existem 5. A primeira linguagem é a dos elogios feitos, a segunda é a dos momentos agradáveis passados juntos, a terceira é a dos presentes, a quarta é a dos serviços prestados ao outro e a quinta é a do toque, como o abraço…

As almas gémeas aprendem ou conhecem a linguagem do amor de cada um, para que possam compreender mais facilmente o funcionamento interior e o essencial do outro, para que possam partilhar melhor.


Amo-te porque o Universo inteiro conspirou para me levar até ti” Paulo Coelho

Consultas conexas

Comments are closed.